Sobre

Existiu um tempo em que familiares de vítimas de acidentes aéreos encontravam uma grande dificuldade na busca por informações pós-acidente.

O familiar entende ser seu o direito à todas as respostas, às suas indignações e seus “porquês”:”porquês” de quem perde um filho, perde uma mãe, perde um irmão ou outro ente querido, ou seja, “porque comigo?”porque ele?”, “porque agora?” Afinal, com o choque da notícia e do inesperado, vem a negação que demanda tempo, um grande esforço e dedicação de todos que estão à sua volta.


A fundação da ABRAPAVAA

A partir do momento em que vivemos experiência semelhante, nós, familiares do trágico acidente TAM 402 de 31 de outubro de 1996, com 99 vítimas fatais em São Paulo, entendemos a necessidade de que nossa Associação fosse fundada como “Associação Brasileira”, ou seja, que pudesse orientar e dar apoio a familiares de vítimas de acidentes aéreos por todo o Brasil.

E não foi diferente, tanto que, a partir do momento de nossa fundação, em maio de 1997, com um trabalho bastante sério – apoiado por especialistas, advogados, familiares e pessoas com muita vontade de mudar uma relação difícil que existia até então entre famílias, cias. aéreas e órgãos responsáveis – a ABRAPAVAA passou a ser reconhecida, respeitada e solicitada em situações que não somente orientar famíliares pós-acidente aéreo.


A ABRAPAVAA

Até aquele momento, a única informação que possuíamos era a certeza de um Seguro Obrigatório – RETA, no valor de R$ 14.000,00 e um difícil processo indenizatório na Justiça que poderia se arrastar por muitos anos.

E foi por volta do ano de 1999/2000 que elaboramos um Projeto para a existência no Brasil de um Órgão nos moldes dos EUA – NTSB – Familly Assistance e ICAO – Circular 285, que nos amparasse com apoio psicológico, jurídico, médico, financeiro, etc.

Em 2001, fomos convidados pelo Congresso Nacional para apresentarmos esse Projeto pois, estava sendo preparada uma substituição do DAC pela ANAC. A partir daquele ano, o Brasil passou a contar com um “Plano de Assistência aos Familiares de Vítimas de Acidentes Aéreos” enquanto DAC e, em seguida, substituído em 2005, pela IAC 200-1001 da ANAC.

Vivenciamos o acidente da GOL 1907, de 29 de setembro de 2006, com 154 vitimas fatais. Acidente esse, que fez com que a ABRAPAVAA permanecesse o tempo necessário, hospedada com os familiares em Brasília e, por solicitação dos mesmos, passou as primeiras orientações sobre seus direitos e, principalmente e prioridade, prestou apoio e solidariedade necessários, uma vez que nós que já vivenciamos experiência semelhante sabemos bem quais são.

Em 2007, época em que vivíamos o “Caos Aéreo”, vivenciamos o trágico acidente TAM 3054 em 17 de julho, com 199 vitimas fatais no Aeroporto de Congonhas. Um acidente considerado como “uma tragédia anunciada” e, novamente, a ABRAPAVAA permaneceu o tempo necessário junto aos familiares com a mesma prioridade de apoio e sensibilidade por uma nova tragédia tão dolorosa e difícil quanto ao GOL 1907.

Em junho de 2009, após o acidente da Air France, o AF 447, com 228 vitimas fatais, sendo 57 brasileiros, a ABRAPAVAA foi solicitada entre os familiares para que fosse ao encontro dos mesmos, que permaneceram hospedados no pós-acidente no Rio de Janeiro, para que pudesse prestar as primeiras orientações e logicamente, nossa solidariedade. E lá estivemos.

Alguns meses após, mais precisamente em setembro de 2009, a ABRAPAVAA foi convidada pelos familiares das vítimas francesas para que fossemos a Paris para orientá-los na Fundação da Associação das Famílias das Vítimas do AF-447. Fomos ao encontro dos mesmos, participamos de várias reuniões, conhecemos os órgãos responsáveis e, estivemos em reunião com a Air France. Após uma semana de trabalho, retornamos com a Associação fundada por lá.


Conquistas

Uma de nossas maiores conquistas foi, ainda que não a ideal, que depois de 10 anos, exatamente em 2009, contando com o apoio e dedicação incondicional do Ministério Público Federal de São Paulo, conseguimos alterar o valor do Seguro RETA de R$ 14.000,00 para R$ 41.000,00 (corrigido pelo IPCA). Quando dizemos que “ainda não é o ideal”, se deve ao fato de que nos EUA e Europa o valor médio desse Seguro é de US$ 120.000 e Euros 130.000 mas, já foi uma conquista e nossa luta continua.

Entendemos que o valor do Seguro RETA deva ser um valor digno para que as famílias envolvidas possam, num primeiro momento, ver suas primeiras necessidades mais básicas atendidas pois, muitas vezes essas famílias perdem seu provedor e esse valor deve ser ao menos suficiente para o início de todo um processo que demandará por inúmeras despesas, tanto judiciais, como domésticas, médicas, etc.

Em nossa visão também, com um valor RETA mais alto, Cias.Aereas estarão mais atentas a procedimentos de segurança, de manutenção de suas aeronaves e treinamento de suas tripulações.


A ABRAPAVAA hoje

Mais uma vez, o reconhecimento pelo nosso trabalho foi demonstrado através do convite a nós enviado pelo NTSB para representarmos a América do Sul na Conferência que comemorou os 15 anos do Family Assistance em Washington, em março de 2011, onde várias entidades mundiais estavam lá representadas por suas Associações e, a ABRAPAVAA pelo Brasil. Aprendizado e experiência única.

Representamos hoje os interesses de familiares brasileiros junto aos órgãos internacionais ligados à assistência de atingidos por acidentes aéreos, como o NTSB nos EUA, através do Family Assistance e, na França, através da FIVAA (Fédération Internationale de Victimes d’Accidents Aériens) e FENVAC, além da cooperação com Associações de diversos países como Argentina, etc.).

Hoje, possuímos uma infinidade de participações em Cursos, Congressos, Seminários, Debates, etc. Nossa referência é reconhecida como ideal para assistência e apoio aos familiares de vítimas de acidentes e incidentes aéreos em todo o Brasil.